Startup do PTI desenvolve sistema 3D para monitoramento das unidades geradoras da Itaipu

Startup do PTI desenvolve sistema 3D para monitoramento das unidades geradoras da Itaipu

23/04/2019

Para assegurar a continuidade do status da Itaipu Binacional como maior geradora de energia limpa e renovável do mundo e garantir os bons resultados da hidrelétrica, o Parque Tecnológico Itaipu (PTI) vem prestando importantes contribuições com o desenvolvimento de tecnologias exclusivas para a usina.
   
Além dos programas e projetos executados pelo próprio PTI, as empresas incubadas no Programa de Desenvolvimento de Negócios do Parque vem atuando fortemente nas atividades de monitoramento da hidrelétrica.
   
Um exemplo é a AIS - Ambientes Virtuais, em parceria com Centro de Estudos Avançados em Segurança de Barragens (Ceasb) do PTI, está na etapa final do desenvolvimento de um sistema 3D que irá facilitar o monitoramento dos mais de 400 sensores de temperatura, vibração, deslocamento e pressão instalados nas unidades geradoras.
   
A primeira entrega foi realizada em março e já possibilita o acesso ao estator das unidades geradoras de 50 Hz, equipamento que concentra mais de 80% destes sensores. Atualmente, o sistema de monitoramento conta com medições de temperatura e vibração. No futuro, serão disponibilizadas medições de deslocamento e pressão.
   
“Hoje o engenheiro precisa dedicar um bom tempo consultando o acervo técnico para conseguir saber com precisão a localização dos sensores. Com o novo sistema, é preciso apenas alguns cliques”, explica Yuri Sefrin, um dos sócios da AIS, empresa que está incubada desde 2014 e nasceu de uma ideia de pesquisa ainda dentro da Unioeste, onde os sócios estudavam.
   
O sistema usa como ponto de partida o modelo tridimensional produzido anteriormente pelo Ceasb, que está instalado no PTI e ao longo de 11 anos desenvolveu projetos em soluções tecnológicas diversas. De acordo com José Quirilos Assis Neto, da Divisão de Engenharia Eletromecânica de Itaipu, “com essa nova interface o engenheiro de manutenção tem uma ferramenta mais amigável e dinâmica para fazer um diagnóstico bastante preciso de eventuais defeitos, além de ter acesso a mais informações sobre a anatomia da unidade geradora e conseguir visualizar estes dados online”, detalha.
   
Edital aberto para solucionar desafios de empresas paranaenses
   

Por meio de um edital, o PTI e a Fundação Araucária vão unir empresas e empreendedores por meio do Programa de Inovação Corporativa com Foco no Desenvolvimento de Novas Empresas. Na primeira etapa, empresas de médio e grande porte do Paraná poderão enviar, até 26 de maio, problemas ou desafios relacionados a quatro áreas: agronegócio, educação e/ou saúde; smart cities (cidades inteligentes); e construção civil.
   
Com base na lista de demandas selecionadas, que deve ser publicada até 10 de junho, os empreendedores poderão enviar seus projetos de soluções. Até 48 proposições devem passar para o período de qualificação para o desenvolvimento de seus protótipos. Na terceira e última fase, os empreendedores selecionados poderão participar do programa de incubação oferecido pelo PTI em uma das quatro unidades da Incubadora Santos Dumont: em Foz do Iguaçu, no PTI ou na Uniamérica, em Marechal Cândido Rondon ou Londrina.
   
Serão selecionados dois projetos em cada uma das unidades, totalizando oito soluções. “Neste edital estamos fazendo um caminho inverso, detectando inicialmente as necessidades para que as soluções possam ser desenvolvidas com base nisso. Isso deve tornar o processo muito mais eficiente”, explica o gerente do Programa de Desenvolvimento de Negócios do PTI, Pedro Sella.
     
As empresas e os empreendedores interessados em participar do Programa podem conferir os critérios e requisitos, e preencher os formulários de cadastro no endereço  https://pti.org.br/incubadorasantosdumont.